Vereador Afonso solicita expansão do Programa Luz para Todos para o Distrito do Caburi

por Clely Ferreira publicado 27/03/2019 13h59, última modificação 27/03/2019 13h59
Na sessão ordinária dessa terça-feira (26), o vereador Afonso Caburi (PTB) iniciou seu pronunciamento solicitando à Eletrobrás Distribuição Amazonas a expansão da rede elétrica através do Programa Luz Para Todos. Há mais de 90 famílias da região do Distrito de Caburi, as quais ainda não foram beneficiadas pelo programa.

Na sessão ordinária dessa terça-feira (26), o vereador Afonso Caburi (PTB) iniciou seu pronunciamento solicitando à Eletrobrás Distribuição Amazonas a expansão da rede elétrica através do Programa Luz Para Todos. Há mais de 90 famílias da região do Distrito de Caburi, as quais ainda não foram beneficiadas pelo programa.

Afonso argumentou que em algumas comunidades a rede passa a menos de 200 metros das residências e, ainda assim, não alcançaram essas famílias, o que acarreta transtornos e diversos prejuízos, em decorrência da falta de energia elétrica. “Sem contar o transtorno de estarmos em pleno século 21 usando lamparina, lampião. É coisa que já ficou para trás, mas, que para aquela população ainda é realidade”, destacou o parlamentar ao descrever a situação de descaso com essas famílias.

O vereador trouxe para a tribuna preocupações relacionadas à educação no Amazonas e no município de Parintins. Ele relatou um ocorrido na Escola Estadual do Caburi, na qual foram feitas ameaças por alunos, através de bilhetes e recados riscado em parede, os quais possuem teor violento e terrorista. O parlamentar afirmou que a comunidade caburiense está se reunindo para tomar providências quanto à situação.

“É terrível, é preocupante o que foi escrito ali. Um recado que nos preocupa, hoje, como está a cabeça dos nossos jovens?”, manifestou.

Ao mesmo tempo, fez cobranças ao Governo do Estado do Amazonas, com denúncia de que a Escola Estadual Caburi está funcionando sem estrutura docente e administrativa suficiente. Assim, cobrou que providências sejam tomadas.

“Não tem merendeira, não tem pedagogo, não tem um agente de portaria!”, expressou o parlamentar. Afonso afirmou que a deficiência no quadro de servidores somente agrava a situação em uma escola que atende mais de 600 alunos.