Vereador Maildson critica governo do Estado

por Clely Ferreira publicado 16/04/2019 08h40, última modificação 16/04/2019 11h02 Texto: Clely Ferreira - Assessoria de Imprensa da Câmara
“Não troque o certo pelo duvidoso”. A advertência feita pelo vereador Maildson Fonseca (PSDB) na tribuna, nessa segunda-feira (15). A pretensão do vereador foi denotar uma crítica ao governo estadual, sob o comando de Wilson Lima (PSC). O repúdio tem como base o posicionamento do governador diante da greve dos professores.

“Não troque o certo pelo duvidoso”. A advertência feita pelo vereador Maildson Fonseca (PSDB) na tribuna, nessa segunda-feira (15). A pretensão do vereador foi denotar uma crítica ao governo estadual, sob o comando de Wilson Lima (PSC). O repúdio tem como base o posicionamento do governador diante da greve dos professores.

“Ano passado, por várias vezes, subi nessa Tribuna e implorei aos nossos queridos professores. Essa história de experimentar, está aí o resultado”, disse o parlamentar.

Em seu discurso, lembrou a trágica gestão do ex-prefeito Alexandre da Carbrás. “Depois que se elegeu deixou a cidade virar um lixo. O povo até plantava jerimum no meio da rua porque não havia coleta de lixo nessa cidade. A mesma coisa acontece agora”, comparou.

Maildson incentivou os professores a prosseguirem a mobilização. “Levem até o final, porque vocês estão lutando por uma causa justa. A injustiça com os professores não pode acontecer. Eu honro a classe à qual eu pertenço. Eu sou professor e, como professor, vou estar do lado de vocês”, comprometeu-se.

Ainda com foco no assunto Educação, requereu verbalmente à Prefeitura “a revisão salarial dos professores contratados, baseado na Lei da Isonomia Salarial”. “Eu fui Professor Municipal, Técnico em Educação, Coordenador Pedagógico, Sub-Secretário e fui Secretário de Educação. Minha primeira bandeira de luta foi a valorização salarial, porque eu reconheço que a competência de um professor. É mais do que justo que tenha um salário digno”, justificou.

O edil recordou que, enquanto Secretário, conseguiu 33% de reajuste para os professores.